quinta-feira, 03/05/2018
Escola da Família

Programa Escola da Família promove ações para o Maio Amarelo

Os eventos visam a conscientização da sociedade sobre os altos índices de acidentes no trânsito

Com o intuito de chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e de feridos no trânsito e conscientizar a população, a Secretaria da Educação de São Paulo participa da campanha Maio Amarelo, em conjunto com o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito. Por meio do Programa Escola da Família, serão promovidas ações de apoio às iniciativas de municípios e demais parceiros. O tema da edição deste ano é “Nós Somos o Trânsito”.

Carmen Lúcia Bueno Valle, coordenadora geral do Programa Escola da Família, acredita que o PEF é uma importante ferramenta de conscientização para o trânsito seguro. Segundo ela, “o programa tem atuação importante nessa iniciativa pela forte abrangência de suas ações no entorno das escolas. Temos uma média de 2 milhões de pessoas/mês passando pelas escolas do Programa aos finais de semana. A participação da comunidade é intensa e as iniciativas exercem forte influência no comportamento de todo o universo escolar e fora dele”, comenta.

Com os parceiros do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, estão previstas manifestações artísticas, como apresentações de teatro, dança e musicais para acontecerem aos finais de semana, nos seguintes dias e municípios: dia 6, em Santos; dia 19, em São Bernardo e Mogi das Cruzes; dia 20, em Presidente Prudente; dia 26 em Piracicaba e Campinas; e dia 27, em Sorocaba.

Obs.: todas as unidades escolares que oferecem o Programa Escola da Família têm atividades previstas para o fortalecimento da campanha Maio Amarelo.

Movimento Paulista de Segurança no Trânsito

A Assembleia-Geral das Nações Unidas editou, em março de 2010, uma resolução definindo o período de 2011 a 2020 como a “Década de Ações para a Segurança no Trânsito”. O documento foi elaborado com base em um estudo da OMS (Organização Mundial da Saúde) que contabilizou, em 2009, cerca de 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178 países. Aproximadamente, 50 milhões de pessoas sobreviveram com sequelas.

A criação do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, pelo Governo de São Paulo, em 2015, é uma proposta inovadora na articulação de órgãos da administração Estadual e Federal, iniciativa privada, sociedade civil e municípios para ações efetivas na redução dos índices de acidentes e salvar vidas. Com base na Década de Ações, o órgão tem como principal objetivo reduzir pela metade os óbitos no trânsito no Estado até 2020.

As parcerias estabelecidas com diversos setores proporcionam a expansão da iniciativa. “O esforço conjunto para combater a violência no trânsito ganhou eficiência do ponto de vista operacional e de custos”, explica a coordenadora do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, Silvia Lisboa.

Se as pessoas não se conscientizarem para acabar com o problema, a OMS estima que 1,9 milhão de pessoas devem morrer no trânsito em 2020 (passando para a quinta maior causa de mortalidade) e 2,4 milhões, em 2030. Nesse período, entre 20 milhões e 50 milhões de pessoas sobreviverão aos acidentes a cada ano com traumatismos e ferimentos. A intenção da ONU com a “Década de Ação para a Segurança no Trânsito” é poupar, por meio de planos nacionais, regionais e mundial, cinco milhões de vidas até 2020.

Faixa etária

Os jovens representam o grupo que é mais afetado. Os acidentes de trânsito são o primeiro responsável por mortes na faixa de 15 a 29 anos de idade; o segundo, na faixa de 5 a 14 anos; e o terceiro, na faixa de 30 a 44 anos. Atualmente, esses acidentes já representam um custo de 518 bilhões de dólares por ano, segundo a OMS, ou um percentual entre 1% e 3% do PIB (Produto Interno Bruto) de cada país.