segunda-feira, 09/11/2015
EJA - Educação de Jovens e Adultos

Projeto leva alunos do Ensino Médio e EJA para visitar locais históricos da capital

Visitação a lugares como estação da Luz e Museus, tem aulas de história de forma diferentes

Desde agosto, os alunos da E.E. Raquel Assis Barreiros, na zona norte da capital, têm aulas de história também fora da escola. As aulas acontecem na estação da Luz, Pinacoteca, Memorial da Resistência, entre outros locais históricos da cidade. Estudantes do Ensino Médio e EJA (Educação de Jovens e Adultos) estão juntos com a professora no projeto Escritores da Resistência: Diálogos entre o Passado e o Presente.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

“A ideia surgiu da necessidade de expandir o conhecimento dos alunos fora da sala de aula, atravessar os muros da escola. Durante as aulas eles me perguntam muito sobre esses locais históricos, percebi que eles tinham muita vontade de conhecer.  Foi então que tive a iniciativa de levá-los para uma aula prática a esses lugares cheios de história. E assim nasceu esse projeto”, explica a professora de história Iêda Lúcia Oliveira.

Os alunos tiveram um evento especial sobre os 30 anos da Anistia. Tiveram como convidado o fundador e atual presidente da organização não governamental do Núcleo de Preservação da Memória Política, Maurice Politi, que falou sobre direitos humanos e ditatura militar. Alguns estudantes cantaram músicas de Geraldo Vandré e outras produzidas na época, além de poesias. Ao final, professores, alunos e convidados participaram de debates sobre o assunto.

A proximidade entre os alunos do Ensino Médio e os estudantes da EJA veio antes do projeto. “Eu percebia distanciamento entre eles, por conta da idade também. Mas foi então que resolvi estreitar esses laços. Fui fazendo brincadeiras entre eles durante os intervalos das aulas, incentivando abraços e risadas. E hoje como trabalhamos juntos no projeto, eles são amigos, não importa a idade, se um é adolescente e outro tem mais de 50 anos. Temos passeios culturais juntos”, explica.