segunda-feira, 21/10/2013
Sala de Leitura

Projeto de iniciação científica transforma alunos do Ensino Médio em pesquisadores

Ação incentiva a construção de textos autorais baseados em livros didáticos e pesquisa de campo

Lixo urbano foi o tema atribuído ao grupo do estudante Emerson Alves da Silva, que cursa o Ensino Médio. O jovem deveria desenvolver uma pesquisa de iniciação científica, dentro do Projeto Critice, desenvolvido na E.E. Professora Odila Leites dos Santos. Engajado em descobrir mais sobre o assunto, Emerson consultou livros na Sala de Leitura, leu blogs na internet e seguiu à rua para observar os hábitos das pessoas quanto ao descarte de lixo.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

“Entramos em contato com outras situações, muito além do que é estabelecido na escola. No meu projeto, por exemplo, concluí que parte das pessoas não sabe descartar o lixo de forma adequada. Nos locais que visitei não é comum reciclar”, disse.

Todas as impressões foram passadas para o papel. A tarefa de redigir o relatório final contou com a orientação do professor de geografia, Luiz Henrique Aguilar. Em sala de aula, o educador ensinou os passos para dominar a linguagem acadêmica e estruturar o trabalho segundo as normas da Associação Brasileira de Normar Técnicas (ABNT).

“A experiência fez com que eles aprimorassem a escrita e o senso crítico, objetivos principais do projeto Critice. O exercício fez com eles aprendessem a escrever seus próprios textos”, conta o professor, que também é o idealizador do projeto.  

Poluição dos rios

Sair a campo é uma das etapas do projeto. “Eles coletam dados, entrevistam especialistas e conversam como a comunidade”, explicou o professor.

Salesópolis foi o destino do aluno do Ensino Médio Hudson Roberto Balbino Silva, que utilizou o passeio para agregar material em sua pesquisa sobre poluentes nos rios. Na cidade do interior, nasce o rio que corta São Paulo, o Tietê, objeto de estudo de Hudson.

Com o seu grupo, o aluno colheu amostras da água para compará-las com a qualidade de outros pontos do rio. “A intenção era aprender mais para ensinar aos nossos colegas da escola”, explicou Hudson.

Busca constante

Com o caderno que controla a entrada e saída de livros da Sala de Leitura da E.E. Professora Odila Leites dos Santos, a educadora responsável pelo espaço Jaqueline  Simone  Notaroberto  Marcandali  de Barros afirma que o número de empréstimos aumentou. “Comparando o período entre 2011 e 2013, cresceu 80% a quantidade de alunos interessados pela leitura”.

A diretora da unidade, Marisa Cristina Ottoboni Aguilar, atribuí os números ao formato de ensino cultivado na escola. “Quando o aluno é protagonista do seu próprio conhecimento, a busca pelo saber é prazerosa”, diz.