sexta-feira, 20/04/2007
Últimas Notícias

Secretaria e Fundação Telefônica lançam livro virtual e renovam convênio para 2007

Foi realizada na manhã desta sexta-feira, dia 20, na Escola Estadual Fabiano Lozano, na Zona Sul da Capital, a assinatura do convênio para o projeto “Coisas Boas 2007”. Desenvolvido em parceria pela Secretaria de Estado da Educação e Fundação Telefônica por meio do Portal EducaRede, o programa teve início em 2005, com o nome de […]

Foi realizada na manhã desta sexta-feira, dia 20, na Escola Estadual Fabiano Lozano, na Zona Sul da Capital, a assinatura do convênio para o projeto “Coisas Boas 2007”. Desenvolvido em parceria pela Secretaria de Estado da Educação e Fundação Telefônica por meio do Portal EducaRede, o programa teve início em 2005, com o nome de “Coisas Boas da Minha Terra”. Durante a cerimônia também foi lançado o livro virtual “Coisas Boas para Minha Terra”, publicação que reúne os trabalhos produzidos pelos alunos da rede estadual nos dois anos anteriores.

“O ‘Coisas Boas da Minha Terra’ (de 2005), começou com a possibilidade de os alunos pesquisarem o que havia de bom nas suas comunidades. Depois, em 2006, a atividade foi pró-ativa, e os alunos puderam pensar o que poderia ser melhorado em sua região”, explicou Sérgio Mindlin, presidente da Fundação Telefônica. Agora, os estudantes poderão somar as experiências dos anos anteriores para contar sua vivência no projeto e relatar sugestões para melhorar a qualidade de vida de suas cidades.

Para a secretária de Estado de Educação, Maria Lucia Vasconcelos, esse é um exemplo de boas experiências na rede pública. “O projeto provoca que se faça algo na comunidade e, ao mesmo tempo, divulga o que foi feito”, disse.

Neste ano, a estimativa é que cerca de 800 escolas de 200 municípios do Estado de São Paulo participem do projeto – envolvendo aproximadamente 24 mil alunos da rede. Uma das novidades para este ano é o início do processo de intercâmbio com alunos e educadores de escolas argentinas que mantêm projetos semelhantes. Atualmente, os alunos de escolas e cidades diferentes podem trocar experiências por meio do portal.

O evento teve as presenças de educadores e coordenadores da Secretaria de Estado da Educação, do presidente do Grupo Telefônica no Brasil, Antônio Carlos Valente; e do presidente da Fundação Telefônica, Sérgio Mindlin; além de representantes da comunidade escolar.

Plano de Trabalho

Este ano, as escolas poderão escolher entre os temas Cidadania, Cultura, Meio Ambiente e Saúde. As atividades são realizadas no ambiente da Comunidade Virtual do portal EducaRede para a apresentação de trabalhos, proposição de novas ações e resolução de dúvidas.

Com participação no projeto nos dois anos anteriores, a EE Maestro Lozano, trabalhará com seus alunos a questão do aquecimento global. “É o nosso terceiro ano no projeto e queremos envolver ainda mais nossos alunos”, diz a diretora da unidade, Eliete Alves.

Em 2005, os alunos do 3º ano do ensino médio pesquisaram a história da escola e da comunidade – o bairro Vila Mariana, na Zona Sul da Capital. “Foi uma experiência muito gratificante. Realizamos uma pesquisa sobre o passado da nossa comunidade”, conta a professora Sandra Lúcia de Moraes, que coordenou os alunos. No ano passado, o tema abordado foi “africanidade”. Todo o material produzido foi publicado no portal EducaRede.

“Esse é um termo que está profundamente ligado à nossa sociedade e tivemos a oportunidade de trabalhar isso profundamente com os alunos. Os resultados foram excelentes”, diz Eliete. Como parte das atividades, os estudantes visitaram comunidades carentes da região e realizaram palestras ensinando à população noções de higiene e saúde.

O acompanhamento pedagógico das atividades é feito à distância por uma equipe de professores do portal EducaRede também com ferramentas para troca de informações, via bate-papo e fóruns. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas diretamente no portal: www.educarede.org.br.

Vitrine

Para a educadora Aglaé Cecília Toledo Porto Alves, da Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas (CENP), da Secretaria da Educação, o lançamento do livro digital confirma o sucesso da iniciativa. “É a evidência de um trabalho colaborativo entre as escolas públicas estaduais que utilizaram o ambiente virtual para potencializarem a cultura local. O diálogo harmonioso entre o global e o local”, afirma.

O Portal Educarede, segundo Aglaé, irá reunir todos os trabalhos elaborados nas escolas. “Serão mostradas as tentativas de soluções para problemas locais detectados pela própria comunidade escolar. Uma ação que transcende os muros da escola, e age a favor do coletivo”, explica.

Benefícios

Para os educadores envolvidos no processo, as escolas e estudantes da rede estadual só têm a ganhar com a experiência a partir do momento em que vivenciam a inclusão digital, experiências em comunidades virtuais de aprendizagem, o protagonismo juvenil, a participação em trabalhos colaborativos, e o sentimento de pertencimento a uma comunidade.

O Projeto

O projeto “As Coisas boas da Minha Terra” começou no final de 2004 como piloto. Em 2005, envolveu 48 mil alunos, 2.400 alunos monitores e 1.600 professores de 800 escolas estaduais de São Paulo. A “terra”, como cita o título, são as 70 cidades paulistas envolvidas na iniciativa que pretende identificar, organizar e divulgar aspectos culturais relevantes para a população local. Na prática, o projeto representa uma comunidade virtual de aprendizagem que resgata a história e cultura de cidades paulistas.

Idéia se transformou

Após conhecerem melhor o lugar onde vivem, os participantes desenvolveram ações de intervenção para a melhoria da realidade da escola, e também, do entorno dela. Em 2006 o projeto mudou de nome e passou a ser chamado de “Coisas Boas para Minha Terra”. Ambos são vencedores da 3ª edição do Prêmio Mário Covas, ano passado, na categoria Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação, da 3ª edição do Prêmio Mário Covas em 2006.

Como funciona

A Secretaria de Estado da Educação é a responsável pela logística e organização do projeto, selecionando alunos, professores e comunidades escolares participantes em todas as Diretorias de Ensino do Estado, além de acompanhar o trabalho desenvolvido por meio de videoconferências e oferecer os recursos tecnológicos da Rede do Saber para apoio pedagógico. Em 2006, o “Coisas Boas para Minha Terra” envolveu 28.440 alunos e 1.022 professores de 474 escolas estaduais de São Paulo.

Sobre o Portal Educarede

Lançado em 2001 como um portal, foi caracterizado como programa três anos depois em função da diversidade de ações desenvolvidas. A principal meta é contribuir para a melhoria da qualidade da Educação, estimulando a integração da Internet no cotidiano da escola pública e possibilitando a inclusão digital aos milhares de jovens que a freqüentam.

Objetivos e público-alvo

Desenvolvido por uma equipe composta por educadores, jornalistas, pesquisadores em tecnologia e profissionais da internet, surgiu ainda com a missão de apoiar o uso pedagógico da web, estimulando a escola a utilizar as tecnologias de comunicação e informação para ensinar e aprender. Totalmente gratuito, é voltado principalmente para e ducadores e alunos dos ensinos fundamental e médio da rede pública, mas também recebe visitas de estudantes de instituições privadas.

Números

O Portal EducaRede é visto por mais de 50 mil pessoas (55.028 usuários cadastrados, 80% da rede pública). Conta com a colaboração do provedor de internet Terra, da Fundação Vanzolini, ligada à Escola Politécnica da USP, e do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC).

Do total de visitantes mensais do EducaRede, 78% são professores e 9% estudantes. Há 1.401 escolas cadastradas no site e outras 5.600 citadas indiretamente em cadastros de alunos e educadores. Os conteúdos são os mais variados, e cada educador ou aluno os utiliza de acordo com o contexto em que trabalha. Além disso, todos podem mandar sugestões nas várias sessões.