segunda-feira, 19/04/2021
Notícia

Secretário da Educação visita escola estadual interessada em aderir modelo cívico-militar no Guarujá

Implementação do projeto depende de aceitação da comunidade escolar; audiência pública será realizada

O secretário da Educação, Rossieli Soares, visitou nesta segunda-feira (19) a Escola Estadual Marechal do Ar Eduardo Gomes, na cidade de Guarujá, que manifestou interesse em aderir ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim), do governo federal.

“No ano de 2019 começamos as discussões e o primeiro passo foi conversar com diretores de escolas para entender quais escolas do estado gostariam de participar de um projeto desse. É importante que a escola queira, que o corpo de professores queira, que a comunidade queira, porque o projeto vai ser mais bem desenhado com a aceitação da comunidade”, afirma o secretário Rossieli Soares.

O secretário conta que desde o ano passado tem acompanhado a escola, suas melhorias possíveis graças aos recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), e que antes da implementação do modelo haverá uma audiência pública com a comunidade escolar.

“O processo educacional permanece e os professores são os mesmos, mas será agregada a experiência das escolas cívico-militares com um perfil ligado ao desenvolvimento cognitivo socioemocional”, diz Soares.

Segundo ele, há estudos que avaliam a possibilidade de a Escola Marechal do Ar Eduardo Gomes oferecer cursos técnicos ligados à manutenção na área de aviação, aproveitando uma eventual parceria com o comando da Base Aérea.

O diretor da escola, José Celso da Silva, afirma que sua expectativa com a mudança de modelo é elevar ainda mais a excelência no ensino. A escola atende hoje 1.485 alunos que vão desde os anos iniciais do ensino fundamental até a 3º série do ensino médio.

“Queremos melhorar a qualidade do ensino, os resultados nas avaliações, os equipamentos tecnológicos. Eu abracei a ideia porque sou ex militar aprendi muito com a disciplina, foi um crescimento grande para mim, e quero poder oferecer isso para os alunos.”

As escolas que tiverem interesse em aderir ao programa deverão cumprir uma série de requisitos. Sendo selecionadas, poderão contar com a expertise do Ministério da Educação e sua estrutura no que diz respeito à gestão educacional, didático-pedagógica e administrativa. Além disso, receberão o reforço de profissionais das Polícias e Bombeiros Militares e de militares das Forças Armadas inativos.