sexta-feira, 04/12/2020
Pais e Alunos

Secretário Rossieli Soares discute desafios e soluções para a educação em painel da Fundação Lemann

Debate teve como tema: “Educação em tempos de pandemia: Desafios, inovação e Educação na agenda prioritária do país”

Nesta sexta-feira (4), o secretário Rossieli Soares discutiu os maiores desafios públicos e as soluções capazes de gerar impactos positivos, profundos e duradouros para o futuro do país, no painel “Redes Que Transformam”, da Fundação Lemann.

Na mesa de debates participaram Camila Pereira, diretora de Educação e moderadora da live Fundação Lenann; Jaime Saavedra, diretor do Banco Mundial; Detra Price-Dennis, professora do departamento de Matemática, Ciências e Tecnologia do Teachers College da Universidade de Columbia; Ana Paula Laborinho, da Organização dos Estados Ibero-Americanas.

Rossieli Soares ressaltou que a Seduc-SP não tem medido esforços ao implementar várias ferramentas que dão perspectivas importantes, mas que nada substitui a escola. “A escola tem uma possibilidade de ser realmente reconhecida como uma instituição insubstituível na nossa sociedade. Se a gente deixar o pai e mãe esquecerem os processos de educação nesta pandemia, vamos perder essa oportunidade, essa proximidade com as famílias, que as escolas têm construído. Os professores precisam desse reconhecimento, se reinventaram com a tecnologia e não mediram esforços para ensinar os alunos, sem resistência. Hoje a tecnologia deixou de ser um monstro e se tornou uma aliada da educação”, completa Rossieli.

O secretário ressaltou ainda a desigualdade no país e falou sobre a importância da aprendizagem. “Os outros países não têm o nível de desigualdade que temos no Brasil. Educação é a verdadeira ponte, mas não dá para fazer uma ponte sobre o que vai acontecer. Já perdemos muito da aprendizagem, mas podemos dar muito a estes jovens para que concluam os projetos de vida deles”, destaca o secretário.

Rossieli completou sua participação ao reforçar a preocupação com o psicológico dos alunos, ressaltando que este fato não tem tido a dimensão que deveria ter. “Essa mensagem não chegou às famílias da forma que deveria. Se não fizermos como sociedade esse grande esforço, este será um grande desafio”.

Mais tecnologia no futuro

A pesquisa Datafolha encomendada em novembro deste ano pela Fundação Lemann, apontou que 73% dos educadores vão utilizar mais tecnologia no ensino após a pandemia. Sobre isso, Rossieli destacou o investimento na formação de professores da rede, que se desafiaram e enfrentaram isso.

“Hoje o mundo de possibilidades é outro, o tempo do professor vale muito mais, cuidando da aprendizagem do aluno. Até o fim da gestão, vamos chegar uma média de 50 e 60 megabytes de internet por escola e melhorar wi-fi dentro das escolas, temos muito potencial para aproveitar esse momento de transformação”, ressalta.