terça-feira, 07/05/2019
Crédito: A2 Fotografia / Mastrangelo Reino
Cultura é Currículo

Escola da rede estadual sedia exposição sobre mulheres refugiadas 

Instalação traz imagens de mulheres que foram obrigadas a deixar seus países de origem e combater preconceito

A luta de milhares de mulheres refugiadas mundo afora inspirou uma escola da rede estadual em Guarulhos a criar uma exposição sobre a trajetória inspiradora dessas mulheres.

Localizada em Guarulhos, a E. E. Tomie Ohtake sedia até dia 25 de maio a exposição “Vidas Refugiadas”. São painéis fotográgicos gigantes, com imagens e histórias de mulheres nascidas na Angola, Cuba, Síria e África, mas que foram obrigadas a deixar seus países de origem.

Para a direção da escola, ações como estas nas escolas públicas ajudam a quebrar as barreiras da discriminação com os refugiados e criar uma corrente de solidariedade e empatia. “Temos um olhar muito forte para a arte e os talentos. Isso é tudo o que ela representa. Muitos de nossos alunos apresentam esse dom artístico”, explica a vice-diretora da unidade, Sirlei dos Santos Gonçalves.

A exposição aborda de forma bastante sensível a vida dessas mulheres e sua luta para sobreviver diante das dificuldades, principalmente no combate ao preconceito.

Trazida pelo professor de arte da unidade, que é membro da secretaria de cultura de Guarulhos, a exposição fica até dia 25 de maio dentro da escola e está à disposição para toda a comunidade escolar. “Atividades como essa são fundamentais para a rede e geram alto impacto pedagógico”, explica o secretário executivo de educação, Haroldo Rocha.

A exposição de fato impactou a vida escolar. O tema refúgio inspirou diversos trabalhos feitos na unidade, muitos deles de forma conjunta. Na disciplina de português, os alunos produziram resenhas críticas e artigos de opinião. Em geografia, o professor trabalhou a questão dos imigrantes na formação territorial brasileira.