terça-feira, 30/07/2013
CEL

“Curso foi tão importante quanto formação universitária”, conta ex-aluna do CEL

Jovens que cursaram idiomas nos Centros de Línguas conquistaram espaço no mercado de trabalho

Foi na sala de aula, quando era estudante, que a sorocabana Nilce Vieira da Costa descobriu a vocação para seguir carreira como professora. Desde criança, ela cultivava o interesse por outros idiomas. O primeiro passo para saciar sua sede por conhecimento foi a formação em espanhol no Centro de Estudos de Línguas (CEL) da E.E. Antonio Padilha, em sua cidade natal.

Depois de ingressar na turma, Nilce não parou de estudar e se inscreveu no curso de francês. A graduação em Letras, nos dois idiomas, aconteceu nos anos seguintes.

Em 2007, Nilce retornou ao CEL onde iniciou os estudos, dessa vez, para assumir o posto de professora de espanhol. “A sensação de estar à frente da sala, no lugar onde tudo começou, foi inexplicável. Por isso, sempre motivo os alunos a sonharem com a área da Educação. Já conheço histórias de estudantes do Centro de Línguas que seguiram o mesmo caminho”, conta.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

A professora deixou Sorocaba para avançar na carreira. Na cidade de Votorantim, Nilce foi promovida a professora-coordenadora do Centro de Línguas da E.E. Professor Daniel Verano, onde lidera 34 turmas e cerca de 500 alunos.

Curso foi essencial

Para preencher o tempo livre durante a preparação para o vestibular, Roberta Hohmuth Lara se inscreveu no curso de francês oferecido na E.E. Albino César, no Tucuruvi, zona norte de São Paulo.

Como aluna dedicada, Lara aproveitou a estrutura do CEL para ler revistas na biblioteca e ouvir músicas em francês. O esforço garantiu base gramatical e oral suficiente para conquistar dois níveis iniciais em um teste de proficiência.

“O curso de francês foi tão importante quanto minha formação universitária. Consegui meu primeiro emprego na área de vendas de equipamentos científicos em uma empresa francesa graças ao curso. O fato de falar francês foi determinante na entrevista”, conta Lara.

Na mesma empresa, ela foi selecionada para fazer um treinamento na França, o que abriu outras portas. Lara já trabalhou no consulado geral da França em São Paulo, na área de cooperação tecnológica, e atualmente é assessora para assuntos institucionais e culturais no escritório do Governo do Québec em São Paulo.