terça-feira, 20/04/2004
Últimas Notícias

Autoridades assinam convênio para melhorar ensino médio

Foi realizada na segunda feira (19) a assinatura de convênios de investimento entre o MEC e as Secretarias de Estado da Educação, por meio do Projeto de Melhoria e Expansão do Ensino Médio (Promed). Estiveram presentes o Ministro da Educação, Tarso Genro, o Secretário Estadual da Educação, professor Gabriel Chalita e mais de 23 Secretários […]

Foi realizada na segunda feira (19) a assinatura de convênios de investimento entre o MEC e as Secretarias de Estado da Educação, por meio do Projeto de Melhoria e Expansão do Ensino Médio (Promed). Estiveram presentes o Ministro da Educação, Tarso Genro, o Secretário Estadual da Educação, professor Gabriel Chalita e mais de 23 Secretários Estaduais de Educação.

Durante o evento, o ministro da Educação falou sobre os sistemas pedagógicos adotados pelos Estados como a Progressão Continuada, Seriado e de Ciclos. O ministro afirmou que o discurso do presidente da República sobre o assunto não é enquadrar os Estados em um ou outro sistema de ensino, mas, por meio de uma iniciativa centralizada, constituir um sistema nacional de avaliação. “Cada Estado deve adotar o sistema que achar mais adequado para a sua realidade”, afirmou.

O secretário Estadual da Educação, professor Gabriel Chalita, concordou com a observação do Secretário de Educação Média e Tecnológica, Antonio Ibanez Ruiz, quando este priorizou a formação continuada dos professores como sendo uma das principais metas do Promed. “Todos nós sonhamos com uma educação pública de qualidade e sabemos das dificuldades que os Estados têm em obter recursos, financiamentos e investimentos para que estes professores possam, de fato, ter excelência naquilo que fazem”, disse Chalita.

Na seqüência, Chalita emendou: “Não é má vontade, como disse Ibanez. Se a formação de cada educador fosse melhor talvez este processo seria muito mais tranqüilo e fácil. Sabemos que a formação inicial do educador tem falhas, então deparamos com profissionais que precisam de investimentos para sua formação. Este é caminho para que a qualidade de ensino chegue com força na sala de aula”.

Ao ser questionado pela falta de política do ministério anterior, o secretário disse ser contrário ao programa Escola Ideal, já que abrangia apenas 27 cidades do país. Ele também não foi a favor da retirada de recursos do transporte escolar e merenda do Estados.

Foram assinados convênios com as 27 Unidades da Federação para viabilizar a execução de ações programadas para o exercício de 2004. Os recursos serão utilizados na formação continuada de professores, melhoria da infra-estrutura física, aquisição de equipamentos e laboratórios, montagem de acervo bibliográfico e material pedagógico. O investimento total é de R$ 60 milhões e vai beneficiar cerca de 216 mil alunos do Ensino Médio da Rede Pública.

Os valores conveniados são de ordem de R$ 60 bilhões, sendo R$ 26,5 bilhões do Governo Federal e R$ 34,3 bilhões da contrapartida estadual. Vale lembrar que desde a criação do Promed, em 2000, o governo de São Paulo tem contribuído com contrapartidas superiores. No atual convênio, para ações de 2004, só haverá recursos federais para ações do Promed, conforme plano de investimento do Estado.

Paola Martins