terça-feira, 15/03/2022
Notícia

Dia da Escola: PDDE Paulista dá autonomia para unidades utilizarem verbas dentro de sua realidade

Programa Dinheiro Direto na Escola desburocratiza o repasse e acelera obras de melhoria e infraestrutura

Nesta terça-feira (15), é comemorado o Dia da Escola, data criada pelo Congresso Nacional para celebrar esta instituição responsável por fazer a educação acontecer e ser tão importante para toda a sociedade. Na rede estadual de São Paulo, as escolas contam cada vez mais com autonomia para realizarem melhorias que dialogam dentro da sua realidade, isso graças ao Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE Paulista), que transfere de recursos financeiros às escolas estaduais.

“O PDDE verdadeiramente celebra o Dia da Escola, porque através deste programa as escolas têm autonomia, e não dependem mais sempre da Secretaria para fazer algo que é simples, como uma pintura, por exemplo”, avalia o Secretário Estadual da Educação Rossieli Soares.

O dinheiro enviado pela Secretaria da Educação do Estado (Seduc-SP) às unidades escolares é gerenciado pela Associação de Pais e Mestres (APM). Com os recursos, é possível realizar melhorias de infraestrutura, bem como comprar materiais e equipamentos. Em 2021, foram repassados R$1,2 bilhão.

“O PDDE funciona justamente porque ele não é um padrão para todos, o que ele tem são diretrizes, mas o destino final pode ser diferente para cada escola, ele é definido de acordo com a realidade de cada unidade e comunidade escolar”, explica a Secretária Executiva da Educação Renilda Peres.

Confira como as unidades têm utilizado o recurso:

A Escola Estadual Pastor Alberto Augusto, em São Vicente, passou por uma grande revitalização a partir de 2020 com os valores distribuídos pelo PDDE. Entre os principais feitos, estão reformas estruturais nas áreas internas e externas, nos banheiros dos alunos, pintura, instalação do kit CMSP em todas as salas, melhorias na cozinha, salas de leitura e laboratórios.

“A comunidade é muito participativa no nosso cotidiano. Após a revitalização, todos falam da unidade escolar com orgulho”, afirma o diretor Clovis Duarte da Silva.

Na capital, a Escola Estadual Wilson Rachid, na zona leste, transformou os espaços internos e externos. Nas salas de aulas os alunos escolheram, por votação, murais que agora decoram as paredes. Também foram adquiridas cortinas para melhor conforto nas classes.  Na área externa, antes vazia, agora há um espaço de convivência com mesas, bancos e jogos.

“Todos os alunos e professores estão bem satisfeitos com as mudanças e consequentemente os resultados já estão aparecendo nas avaliações externas e internas. Esse recurso mudou completamente o dia a dia da escola tanto no administrativo quanto pedagógico”, avalia a diretora Vânia Cristina Monteiro Ribeiro.

No interior, em Sorocaba, os alunos da Escola Estadual Ana Cecília Martins ganharam através do PDDE um lugar onde podem relaxar até que o sinal para a próxima aula toque. O ‘Espaço Zen’ foi inaugurado recentemente embaixo de uma escada na parte externa. O lugar antes estava ocupado por carteiras inutilizadas agora serve para aliviar a tensão antes da prova ou até mesmo ler um livro. Outros ambientes da unidade também foram revitalizados e se tornaram laboratório de ciência, estúdio para gravação e rádio escolar.

“O investimento financeiro do PDDE Paulista possibilitou uma grande melhoria na estrutura da escola. Com as adequações e transformações, esta unidade escolar se tornou um ambiente que estimula os vários conhecimentos dos alunos, aproximando-os do seu projeto de vida e proporcionando um ambiente acolhedor a toda a comunidade escolar” disse Simone Veloso, diretora da unidade.

Na Escola Estadual Doutor Luiz Zuiani, em Bauru, a verba disponibilizada transformou sonho em realidade. A diretora da unidade, Maria Helena Vieira Pintão, que está à frente da escola há 23 anos, relata que sempre sonhou em trocar o piso de 10 salas de aulas que eram no estilo ‘caquinhos’. Em 2021 essa reforma foi possível por conta do PDDE Paulista e essas salas passaram a contar com porcelanato.

“Com essa verba a escola passou por muitas melhorias, como a instalação de duas salas de informática, a Sala Maker com equipamentos de robótica, laboratório de ciências equipado e quadra revitalizada. A Sala Maker reforçou a referência que a escola já tinha na região”, afirma a diretora.