quarta-feira, 12/03/2014
Imprensa

Secretaria oferece formação inédita de Educação Especial e Inclusiva para 1.600 professores e gestores

Além dos cursos realizados em parceria com a Unesp, número de salas de recursos para inclusão de estudantes aumenta 45% em todo Estado A partir desta quarta-feira, 12, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo dá início à formação continuada inédita de 1.600 professores e gestores da rede com foco na educação especial […]

Além dos cursos realizados em parceria com a Unesp, número de salas de recursos para inclusão de estudantes aumenta 45% em todo Estado

A partir desta quarta-feira, 12, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo dá início à formação continuada inédita de 1.600 professores e gestores da rede com foco na educação especial e inclusiva. São sete cursos de especialização lato sensu elaborados em parceria com a Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores do Estado de São Paulo (EFAP) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp), a partir do projeto REDEFOR.

A ação visa ampliar o número de profissionais especializados no atendimento de alunos com deficiência, bem como aprimorar a política de inclusão na rede estadual de ensino paulista. Além disso, com os novos especialistas a Secretaria pretende aumentar ainda mais a quantidade das salas de recursos, ambientes regidos por professores especializados e equipados com materiais pedagógicos específicos, de acordo com o tipo de deficiência.

Atualmente, estão matriculados em classes comuns da rede estadual mais de 62 mil alunos com algum tipo de deficiência. Eles dispõem ainda de 1.770 salas de recursos, número 45% maior que no ano passado, quando eram disponibilizadas 1.214 unidades.

Aos professores e gestores foram oferecidas vagas no curso de Especialização em Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Os coordenadores pedagógicos também puderam optar por seis cursos de Especialização em Educação Especial nas áreas de deficiência auditiva, visual, física, intelectual, transtorno global do desenvolvimento e/ou altas habilidades/superdotação. O programa prevê encontros presenciais, atividades online e trabalho de conclusão de curso.

“Trata-se de uma medida inédita e extremamente importante para atender nossa prerrogativa da inclusão. Para isso, é indispensável tanto a oferta de um currículo adaptado, materiais didáticos específicos, locais adequados e profissionais capacitados que garantam a permanência desses estudantes na rede estadual”, afirma o secretário da Educação, professor Herman Voorwald.

Além do oferecimento de classes inclusivas e salas de recurso, a Pasta tem firmados 295 convênios com entidades, como APAEs, que acolhem alunos com deficiência em todo o Estado de São Paulo. Neste ano, serão repassados R$ 115 milhões para o atendimento de 28 mil estudantes.