sexta-feira, 29/06/2018
A2img/Mastrangelo Reino
Alimentação Escolar

Unidade conscientiza estudantes sobre os benefícios da alimentação saudável

A corrente ficou forte a ponto de os pais modificarem suas formas de pensar sobre o assunto

A alimentação adequada é de extrema importância para o desenvolvimento das crianças. E, melhor que isso, é a garantia de que doenças indesejadas não rodeiem sua vida adulta. E a escola é um excelente local para colocar um cardápio saudável em prática no dia-a-dia dos estudantes. Foi o que aconteceu na EE Reverendo Atael Fernando Costa, que pertence à Diretoria de Ensino Diadema.

“Teve mudança, mas nós temos que insistir. Mesmo com toda essa conscientização alguns insistem em não comer de forma saudável. E a cada ano que passa a gente consegue alcançar um número maior de crianças e de pais conscientes”, relata a diretora da EE Reverendo Atael Fernando Costa, Vanderléia Ferreira Lima.

A unidade meteu a colher no projeto interdisciplinar Semana da Educação Alimentar 2018, que promove o conhecimento para uma alimentação saudável, equilibrada e nutricional para os alunos. A escola tem um papel primordial nesta tarefa, que visa mostrar a importância da formação de valores, hábitos e cuidados com a alimentação.

“A gente observa que tem crianças que não querem comer a salada, não querem balancear o prato. E os que têm problemas de saúde, no caso a obesidade, são as que mais apresentam dificuldades no aprendizado da mudança de alimentação”, avalia Vanderléia. Por isso, a parceria com os pais é indispensável.

“A participação dos pais é fundamental, pois eles escutam mais os pais do que a nós. Embora, de vez em quando, um ou outro pai e mãe relutam e insistem em mandar um salgadinho para o filho. Mas, com o projeto, a criança vê que o amiguinho está comendo de forma mais saudável e tenta copiar”, afirma a diretora. Aos risos, Vanderléia conta que tem pais que mandar lanches saudáveis, “mas a gente acaba pegando as crianças deles trocando por algo que agrada mais o próprio paladar”.

O objetivo da iniciativa é orientar os alunos na aquisição dos hábitos de uma boa alimentação, esclarecer sobre o consumo consciente de proteínas de origem animal, apresentar os prós e os contras desse consumo, conscientizar sobre o impacto ambiental, conhecer as doenças do consumo excessivo e definir o que é vegetarianismo e suas consequências. Além disso tudo, os estudantes do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental conheceram a Pirâmide Alimentar e foram instruídos na construção de um cardápio saudável.

Em sala de aula, a conscientização foi trabalhada com leituras diversas, com a leitura compartilhada de textos de divulgação científica, com o vídeo “Importância da Alimentação Saudável, além das atividades de Matemática, rodas de conversa e desenhos livres sobre o tema. No final, os alunos e as alunas da escola Reverendo Atael Fernando Costa confeccionaram um panfleto para alertar a comunidade.

“E o nosso projeto ajuda muito na parte pedagógica, porque eles lembram da pirâmide. Além disso, a gente ajuda a equilibrar tudo. Então, esse reforço complementa o conteúdo da sala de aula”, finaliza Vanderléia Ferreira Lima.

Cultivando uma alimentação saudável e consciente

Em 2018, a Semana de Educação Alimentar da Secretaria da Educação trabalhou com o tema “Educação Alimentar e Nutricional – como inovar na sua escola através das seguintes ferramentas de ensino: hortas contemporâneas, hortas alternativas e PANC’s”. As PANC’s (Plantas Alimentícias Não Convencionais) são alimentos naturais que as pessoas não comem simplesmente pela falta de costume, ou por não terem o conhecimento de que podem ser consumidas.

“Se trata de plantas extremamente nutritivas e que se adaptam ao nosso Meio Ambiente. Ou seja, não precisam de muita manutenção para crescerem. É uma grande opção para as nossas hortas escolares”, afirma Giorgia Russo Tavares, assessora de Gabinete e Nutricionista.

A ação da Educação dá continuidade ao trabalho da equipe de Educação Ambiental da CGEB – Coordenadoria de Gestão da Educação Básica, que fala sobre sustentabilidade e permacultura. As hortas escolares são ferramentas importantes para trabalhar a educação saudável e o Meio Ambiente. Geralmente, é comum que as hortas plantadas nas escolas sofram com as férias escolares, pois as ações de cultivo diminuem com a ausência dos estudantes.

As PANC’s sempre existiram, e o ideal é procurar caminhos para que cada vez mais a comunidade escolar se aproxime do natural. “E a escola é um caminho fértil, pois consegue contribuir para a construção de uma cultura mais consciente para o consumo de alimentos. Para que as crianças sejam mais críticas sobre o que estão consumindo”, elucida Ana Maria Stuginski, do Programa Escola da Família e chefe do Departamento de Mobilização Escola Comunidade da FDE/SEE.