Sociedade

Livros em frânces e espanhol são escritos por estudantes dos Centros de Línguas

Obras produzidas por alunos foram destaque na Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto

qua, 26.06.2013

Escrever um livro exige criatividade, empenho e habilidade na escrita. Imagine, então, redigir uma obra em outro idioma. Esse foi o desafio dos alunos dos Centros de Estudo de Línguas das regiões de Assis, Suzano e Jaú. Os jovens mostraram que o idioma não é uma barreira e produziram, ao todo, 14 títulos em espanhol e francês.

Na cidade de Assis, mais de 200 estudantes da E.E. Carlos Alberto de Oliveira utilizaram o conhecimento que adquiriram durante as aulas de espanhol para a criação de livros de contos e poesias, como os títulos “Eres Tú” e “Los Cuentos de Hadas”. Os jovens produziram, até mesmo, um livro de culinária no idioma do país que tem a gastronomia mais famosa do mundo, a França.

“Os temas dos livros surgiram de acordo com o conteúdo que estava sendo trabalhado em sala de aula. Os livros de contos, por exemplo, começaram a ser produzidos no momento em que a professora ensinava tempos verbais para a narrativa no passado”, conta Sirleyne Valério da Costa de Miranda, coordenadora do Centro de Línguas da unidade.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

 A educadora conta que a publicação das obras surtiu resultados positivos na escola. “Os estudantes ficaram muito satisfeitos com o resultado, pois perceberam que o trabalho deles foi valorizado. Com isso, até mesmo o aproveitamento deles em sala melhorou”, comenta. O lançamento dos títulos teve ares de grandes escritores e aconteceu no teatro municipal da cidade, com direito a sessão de autógrafos dos jovens escritores.

Exposição

Assim como as obras produzidas pela unidade de Assis, os títulos escritos pelos alunos dos Centros de Línguas das escolas José Conti, em Jaú, e Professor Raul Brasil, em Suzano, também foram expostas pela Secretaria da Educação na Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto.

“Esse trabalho motiva muito os alunos, pois eles mantêm o contato com a língua, praticam, pesquisam e se empenham na atividade. Além disso, o fato das obras terem sido expostas na feira é motivo de orgulho para professores, alunos e pais”, comenta Silvia Cristina Gomes Nogueira, da coordenadoria de Gestão da Educação Básica.