quarta-feira, 04/01/2017
Boas Práticas

Xadrez é opção de diversão e aprendizado nas escolas estaduais

Jogo estimula criatividade, além do raciocínio lógico e estratégico

Há três anos, os intervalos na E.E. Major Acyr, na capital paulista, mudaram. Os tabuleiros de xadrez agora ocupam boa parte do espaço e se dividem na popularidade com outras atividades, como o futebol. A proposta da equipe gestora é, ao mesmo tempo, divertir e ensinar. Isso porque o esporte (também conhecido como jogo e ciência), desperta o raciocínio lógico e estratégico.

Siga a Secretaria da Educação no Twitter e no Facebook

Para quem não sabe, nas partidas é possível relacionar temas das aulas de História como Idade Média, Sociedade Feudal e As Cruzadas e também desenvolver o trabalho em equipe e estratégia, práticas das aulas de Educação Física. O mesmo vale para Matemática e Lógica.

No xadrez humano as regras são compreendidas mais facilmente. Para isso basta recortar papéis de jornal ou cartolina para fazer chapéus que simbolizam as peças (peões, rainha, rei, bispos, cavalos e torres). Ao todo serão 16 para cada time e caberá aos jogadores, do lado de fora, orientar as táticas do jogo.

Desde quando passou a fazer parte da rotina, alunos da unidade melhoram no rendimento e comportamento. A iniciativa deu tão certo que o grupo formado por 48 meninas e meninos conquistaram no último ano mais de 15 medalhas.

Jogo como instrumento pedagógico

O xadrez também acontece na E.E. República da Bolívia, situada no bairro Jardim São Paulo. Na unidade estadual, quem ministra as atividades para os alunos do Ensino Fundamental é o professor Flávio Cardoso de Oliveira. Saiba mais aqui.